Picadillo - carne moída com gostinho cubano

sábado, 24 de junho de 2017

Estou firme no meu propósito de colocar a panela elétrica de cozimento lento em uso. Tenho pesquisado e testado muitos pratos, e adorado os resultados.

A receita de hoje é picadillo cubano, uma receita deliciosa e super aromática de carne moída. Nas pesquisas que fiz para escrever este post, descobri que o picadillo também pode levar canela, uma pitadinha de cravo e noz moscada, alcaparras e uvas-passas. Nem preciso dizer que vou preparar novamente com tudo isso, né?

De qualquer forma, com ou sem passas, é bom demais. Agradou em cheio o hômi, meu chatinho provador preferido, e tem tudo para agradar você também.

Picadillo.
Receita adaptada daqui

Ingredientes:

1 fio de azeite
1 kg de carne moída magra
1 xícara de cebola picadinha
1 xícara de pimentão vermelho picadinho
3 dentes de alho picadinhos
1/4 de xícara de coentro fresco picado (não tinha, não usei)
1 tomate pequeno picadinho (usei 12 tomates tipo uva)
1 lata de 240 g de molho de tomate*
1/4 de xícara de azeitonas verdes (usei picadas)
1 1/2 colheres (chá) de cominho em pó
1/4 de colher (chá) de alho em pó (não tinha, não usei)
2 folhas de louro
Pimenta moída na hora e sal, a gosto

Modo de preparo:

Em uma frigideira grande, aqueça um fio de azeite e doure a carne em fogo médio-alto. Tempere generosamente com sal e um pouco de pimenta. Mexa ocasionalmente, partindo os grumos grandes com uma colher de pau.

Quando a carne já tiver perdido a cor rosada, escorra o excesso de líquido da carne e adicione a cebola, o alho e o pimentão. Deixe cozinhar por mais 3-4 minutos.

Transfira o conteúdo da frigideira para a panela de cozimento lento, adicione o restante dos ingredientes mais 1 1/4 de xícara de água, misture bem e ajuste a temperatura para 3-4 horas, em temperatura alta, ou 6-8 horas, em temperatura baixa (eu fiz em temperatura alta por 3h30).

Depois de pronta, descarte as folhas de louro, acerte o tempero (sal, pimenta e, eventualmente, um pouquinho mais de cominho em pó) e misture bem. Sirva com coentro fresco picado acompanhado de arroz branco.

Picadillo

Observações finais:

* Aqui em casa, molho de tomate industrializado não tem mais vez há muitos anos. Como eu não tinha molho de tomate caseiro pronto, bati no liquidificador 1 lata de tomate pelado (240g), 1/2 cenoura média, 1/2 cebola pequena, 3 tâmaras e 1/2 colher de chá de sal.

* Já participou da pesquisa de opinião? É bem rapidinho - em menos de 5 minutos, você termina. E ainda pode concorrer a um kit com dois livros do Gordon Ramsay! Clique aqui e participe!

Bolo invertido de abacaxi e coco

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Bolo invertido de coco e abacaxi

Lembra do bolo que eu preparei para o aniversário do blog? Delícia, né? Só que sobrou um tantão de caramelo delicioso. Eu até podia fazer uma calda de caramelo para sorvete, mas não estava a fim. Olhando para um resto de abacaxi bem azedinho na geladeira, tive uma ideia melhor: bolo invertido de abacaxi. Nham! E com massa de coco, combinação mais do que feliz!

Receita de liquidificador, pra preparar rapidão enquanto a criançada vê desenho na TV!

Bolo invertido de coco e abacaxi
Receita livremente adaptada daqui

Ingredientes:

Para a massa:
75 g de óleo de coco ou canola
2 ovos grandes
10 ml de extrato de baunilha
200 mL de leite de coco
120 g de açúcar
240 g de farinha de trigo
10 g de fermento
1 pitada de sal
100 g de coco ralado

Para a cobertura:
A sobra do caramelo do outro bolo
1/2 abacaxi descascado, cortado em rodelas médias e, depois, em quartos (sem o miolo)

Modo de preparo:

Espalhe o caramelo no fundo de uma forma de 23 cm de diâmetro*. Por cima, espalhe o abacaxi em quartos, formando uma espiral.

No copo do liquidificador, adicione o óleo, os ovos, a baunilha, o leite de coco e o açúcar. Bata bem - por uns 5 minutos. Reserve.

Em uma tigela grande, peneire juntos a farinha, o fermento e o sal. Misture com um fouet. Verta o conteúdo do liquidificador sobre os ingredientes peneirados e misture até ficar uniforme. Por fim, incorpore o coco ralado.

Verta a massa cuidadosamente sobre o abacaxi. Leve ao forno preaquecido a 180ºC por 45 minutos ou até que o bolo passe no teste do palito.

Retire o bolo do forno, deixe que ele descanse por 15 minutos e então desenforme-o no prato de servir.

Sirva-o em temperatura ambiente.

Bolo invertido de coco e abacaxi

Observações finais:

* Quando preparei o bolo da foto, eu queria porque queria testar uma forma nova de 20 cm de diâmetro. Por pura teimosia, pois já percebera que ia ficar pequena. E ficou. O bolo acabou crescendo mais do que o desejado no centro (tive que dar uma nivelada nele, ainda na forma, antes de desenformar). Por isso é que as bordas parecem flutuar na foto acima.

* Se não quiser preparar a receita de caramelo da outra receita, você pode fazer o caramelo como preferir. Eu faria algo parecido com a receita do vídeo: na própria forma do bolo, junte 80 g de açúcar mascavo e 40 g de manteiga. Mexa bem, leve ao fogo médio até derreter e então acrescente 50 mL de rum. Mexa até ficar uniforme e retire do fogo.

* Já participou da pesquisa de opinião? É bem rapidinho - em menos de 5 minutos, você termina. E ainda pode concorrer a um kit com dois livros do Gordon Ramsay! Clique aqui e participe!

10 Anos No Calor do Fogão - ajuda nóis!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Como eu contei para vocês, No Calor do Fogão completou 10 anos.

Para marcar a data - e o meu compromisso de manter este blog por muitos anos -, eu e meu amigos da Alvetti.com estamos planejando uma reformulação. Nada de tão grandioso, já que ele continuará sendo tocado por uma só pessoa: esta que vos escreve. Alguém que dedica um bom espaço no coração para o blog, mas que não pode dedicar tanto tempo assim.

Mas pretendemos, sim, fazer algumas melhorias pensando em tornar a sua visita aqui cada vez mais delícia. Para isso, preciso da sua ajuda, pode ser? É um questionário rapidinho de responder - em menos de 5 minutos você termina.

Para agradecer quem colaborar, vou sortear um kit de livros do Gordon Ramsay! Participa, vai ;-)

Livros
O kit é composto pelos livros "Paixão pelo sabor" e "As grandes receitas de Gordon Ramsay" :-)

A pesquisa estará disponível até 24 de julho de 2017. O sorteio será realizado no dia 28 de julho de 2017. Entrarei em contato com o vencedor via e-mail para pegar o endereço de envio dos livros!

Ah, só uma coisa: é preciso ter um endereço válido no Brasil para participar do sorteio, tá?

Clique aqui para participar

10 anos No Calor do Fogão - Bolo brownie com cobertura de caramelo e amendoim

domingo, 11 de junho de 2017

Bolo brownie com cobertura de caramelo e amendoim

Que graça tem aniversário sem bolo, né? (eu não vejo nenhuma)

O bolo que escolhi para comemorar os dez anos do blog é da mestra, diva, musa inspiradora Dorie Greenspan. Se eu tivesse que indicar apenas uma autora especializada em baking goods, seria ela. E se tivesse que indicar somente um livro, seria o dela - Baking From My Home To Yours.

O que dizer desse bolo, gente. Acho que a cara dele diz o que esperar. Ele é escandaloso. Uma indecência. Um absurdo. E sabe do que mais? Nem é dos mais complicados do mundo, não. Dê uma conferida na receita, depois na despensa, arranje um pretexto bom e prepare.

Você não vai se arrepender. Ou talvez vá, se não se aguentar e comer tudo sozinho - como ele é pequenino, você pode se sentir tentado ;-)

Bolo brownie com cobertura de caramelo e amendoim
Receita daqui

Ingredientes (para um bolo de 20 cm de diâmetro):

Para o bolo:
1 xícara de farinha de trigo
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1/4 de colher (chá) de sal
8 colheres (sopa) de manteiga sem sal
85 g de chocolate meio amargo picado
3 ovos grandes
1/2 xícara de açúcar mascavo claro
1/4 de xícara de açúcar
3 colheres (sopa) de glucose de milho clara*
1/2 colher (chá) de extrato de baunilha

Para a cobertura:
2 xícaras de açúcar
1/2 xícara de água
1 ½ colheres (sopa) de glucose de milho clara*
2/3 de xícara de creme de leite fresco
2 colheres (sopa) de manteiga sem sal, à temperatura ambiente
1 xícara de amendoins sem pele, torrados e salgados

Modo de preparo:

Ligue o forno a 180ºC. Unte com manteiga e polvilhe com farinha uma forma de fundo removível com 20 cm de diâmetro. Forre o fundo da forma com papel manteiga e acomode-a sobre uma outra assadeira forrada com papel-manteiga ou tapete de silicone.

Comece preparando o bolo. Em uma tigela média, misture a farinha, o bicarbonato e o sal juntos. Reserve.

Em uma tigela resistente a calor, junte o chocolate e a manteiga e derreta-os (em banho-maria ou micro-ondas). Deixe esfriar.

Em uma tigela grande, junte os ovos e o açúcar e mexa com um fouet até ficar bem misturado. Adicione a glucose e o extrato de baunilha, mexendo muito bem. Some então a mistura de chocolate derretido e mexa até ficar uniforme.

Some os ingredientes secos mexendo delicadamente com o fouet somente até incorporar. Você obterá uma massa lisa, densa e brilhante.

Verta a massa na forma preparada. Balance-a levemente para distribuir a massa.

Leve ao forno por 35-45 minutos ou até que o bolo passe no teste do palito para brownies (o palito sai do bolo com migalhas úmidas).

Transfira o bolo para uma grade de resfriamento por 15 minutos. Passe então uma faca em torno do bolo e remova as laterais da assadeira. Deixe esfriar até a temperatura ambiente.

Quando o bolo estiver completamente frio, vire-o sobre a grade e remova o fundo da forma e o papel-manteiga. Lave e seque a forma e volte o bolo para dentro dela com o topo para cima.

Para fazer a cobertura, coloque o açúcar, a água e a glucose de milho em uma panela média de fundo grosso. Mexa até combinar os ingredientes e leve a panela ao fogo médio-alto. Aqueça, sem mexer, até o caramelo fica cor de âmbar, de 5 a 10 minutos.

Abaixe um pouco o fogo. Posicione-se atrás da panela (para se proteger dos respingos) e adicione o creme de leite e a manteiga. Quando as borbulhas ficarem menos intensas, mexa para abaixar o caramelo e dissolver quaisquer pelotas.

Misture os amendoins ao caramelo. Despeje tudo em uma tigela refratária.

Com uma colher, distribua os amendoins sobre o bolo. Cubra cada um deles com a calda de caramelo. Aguarde a cobertura chegar à temperatura ambiente.

Para servir, passe a faca novamente nas laterais da forma e remova o bolo para o prato de servir. Se ele estiver preso, aqueça as laterais da forma com um secador de cabelo ou envolva-a com uma toalha molhada com água quente.

Acomode o bolo no prato de servir e aguarde os "ooohhhh".

Bolo brownie com cobertura de caramelo e amendoim

Observações finais:

* O bolo dá uma afundada no centro, mas isso não é um problema - pelo contrário, assim ele contém melhor a cobertura.

* Sobra caramelo sem amendoim - cerca de 1/2 xícara. Aproveite então que já vai ter sobrado creme de leite fresco e faça uma calda da caramelo delícia para o seu sorvete: comece derretendo o caramelo em banho-maria. Reserve. Numa panela média, aqueça 1 xícara de creme de leite de fresco. Quando levantar fervura, adicione o caramelo, misture bem com uma espátula de silicone e deixe quieto por 3 minutos, enquanto ele borbulha furiosamente (mantenha distância). Remova a panela do fogo e verta a calda de caramelo em um pote que suporte altas temperaturas. Deixe chegar à temperatura ambiente antes de tampar e guardar na geladeira.

* Glucose de milho clara é diferente do Karo que a gente encontra no supermercado. É um 'líquido' bem denso, incolor e transparente. Você encontra mais facilmente em lojas com artigos para confeitaria. Em Brasília, sei que há no Rei das Embalagens e n'A Festiva.

10 anos No Calor do Fogão

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Bolo brownie com cobertura de caramelo e amendoim

Neste mês, No Calor do Fogão completa 10 anos. Quando eu comecei a escrever aqui, minha vida era completamente diferente. Atravessando uma crise no trabalho, com prestações astronômicas de um imóvel recém-financiado e uma cirurgia recente na coluna, eu me sentia quebrada. A cozinha - e o blog - foram os caminhos que eu busquei para me restabelecer.

Naquele tempo, eu cozinhava pouco. Só aos finais de semana - isso, se tivesse tempo ou disposição. Não tinha intimidade com ingredientes, técnicas e nomes. Achava que queijadinha tinha que ter queijo, que macaron e macaroon eram a mesma coisa e que a água para cozinhar macarrão tinha que ter óleo. Morria de medo de clara em neve, multiprocessador e panela de pressão. Acreditava que panela de fundo grosso, batedeira planetária, medidoras-padrão e balança digital eram frescuras.

Reler os primeiros posts do blog dá uma vergonha danada. As fotos (quando havia) eram tenebrosas. Os textos, terrivelmente ingênuos. Como eu era bobinha, gente. Naquele tempo, o blog mais parecia um "querido diário da cozinha":

- "Hoje eu cortei cebola"

- "Hoje eu deixei queimar o bolinho que eu faço toda semana"

- "Hoje eu não cozinhei porque estava com dor nas costas"

Não havia compromisso com relevância - até porque eu nem sabia se alguém algum dia teria interesse de ler o que eu escrevia.

Ao longo dos anos, fui definindo um estilo e identificando o que, para mim, é importante contar aqui. Descobri que gosto de receitas bem explicadas, ilustradas com fotos, com descrição do produto final e sugestões de substituição para ingredientes exóticos, polêmicos ou que causem desconfortos alimentares. E é assim que eu procuro apresentá-las aqui.

No Calor do Fogão passou por alguns períodos de poucos posts, acompanhando os altos e baixos da minha vida. Foi ganhando leitores fiéis e seguidores no Blogger. E até chegou ao Instagram.

De 2007 para cá, passei em dois concursos e por mais uma cirurgia na coluna. Tornei-me servidora pública, mãe de gêmeos e uma cozinheira um pouco melhor. Abandonei temperos prontos e o sedentarismo. Perdi pessoas queridas, ganhei novos amigos. O que não mudou? O meu provador preferido, o hômi. E a vontade irresistível de compartilhar as receitas que me fazem feliz. Para que elas possam fazer o mesmo por você.

Se você aguentou ler até aqui - me refiro tanto ao textão quanto aos dez últimos anos -, a minha mais sincera gratidão. Se, no início, o blog era sobre mim e para mim, ele agora é sobre comida que traz alegria - mesmo que fugaz - e, principalmente, é para você.

Observação final:

A receita deste bolo é o próximo post ;-)

Bolo bundt de fudge de chocolate

sábado, 3 de junho de 2017

A primeira vez que preparei este bolo foi um total desastre. Minha intenção era levá-lo para o trabalho, mas metade dele ficou grudada na forma. Tudo porque eu segui rigorosamente os procedimentos recomendados na receita - apenas untar a forma com manteiga, desenformar após 5 minutos fora do forno -, e não os que eu normalmente faço e que costumam dar certo. Que ódio.

Enquanto tentava remover os restos do bolo da forma, fiquei espantada com a umidade e a fofura da massa. Era impossível retirá-la inteirinha, de tão delicada que era. No teste de sabor, ela também foi aprovada com louvor - chocolatuda, doce na medida, uma loucura. Até Alice, aquela que não come comida feia, papou um tantão de bolo esmigalhado.

Assim, resolvi dar uma segunda chance à receita. Dessa vez, untei a forma com manteiga e polvilhei com chocolate em pó. Na hora de desenformar, esperei até que o bolo ficasse em temperatura ambiente. Ainda assim, ele perdeu um pouco da casquinha. Dei uma disfarçada com um pouco de calda de cacau.

Mesmo insatisfeita com a aparência do bolo, levei-o para o trabalho. Foi um sucesso estrondoso. Quando cheguei em casa, com a boleira vazia, Gabriel chorou, sentido, ao saber que não havia restado nenhum pedacinho para ele. E foi assim que eu fiz essa receita pela terceira vez em menos de dez dias. ;-P

Ainda cogito refazer este bolo outras vezes até que ele fique com a aparência perfeita. Aí, poderei atualizar este post contando como procedi. De todo modo, se você não se importar com um topo não tão lisinho (ou se tiver um método infalível para desenformar seus bolos), faça-o. Ele tem tudo para se tornar o seu bolo de chocolate preferido, vá por mim.

Bolo de chocolate fudge
Receita adaptada daqui

Ingredientes:

Para o bolo:
240 mL de café coado
200 g de manteiga sem sal (ou 150 g de óleo vegetal de sabor suave, como canola)
60 g de cacau em pó não adoçado de boa qualidade
360 g de açúcar
3/4 de colher (chá) de fermento em pó
1/4 de colher (chá) de bicarbonato de sódio
3/4 de colher (chá) de sal
240 g de farinha de trigo
2 colheres (chá) de extrato de baunilha
2 ovos grandes
125 mL de iogurte natural não adoçado (normal ou grego)

Para a calda:
100 g de açúcar
125 mL de água
15 g de cacau em pó não adoçado de boa qualidade

Modo de preparo:

Preaqueça o forno a 180ºC. Unte com manteiga uma forma para bundt cake com capacidade para 10-12 xícaras. Polvilhe com chocolate em pó, dando pancadinhas na forma sobre a pia para remover o excesso. Reserve.

Numa panela pequena, leve ao fogo baixo a manteiga, o cacau em pó e o café. Mexa com uma colher de pau até a manteiga derreter. Retire do fogo e continue misturando até ficar homogêneo. Deixe esfriar por 10 minutos.

Enquanto isso, junte o açúcar, o fermento em pó, o bicarbonato de sódio e a farinha em uma tigela grande. Misture com um fouet até ficar uniforme.

Verta a mistura de cacau sobre os ingredientes secos e mexa até ficar bem misturado. Raspe as laterais da tigela e mexa mais até que não haja vestígios de ingredientes secos.

Em uma tigela média, misture a baunilha, os ovos e o sour cream/iogurte. Junte essa mistura ao conteúdo da tigela grande e misture bem até ficar completamente combinado.

Despeje a massa na forma preparada e leve ao forno por 50 a 55 minutos ou até que ele passe no teste do palito. Importante: se a forma tiver revestimento interno escuro, o bolo vai assar mais rápido. Se for o caso da sua forma, comece a testar o bolo com 40 minutos de forno.

Retire o bolo do forno e deixe que ele esfrie sobre a grade de resfriamento. Quando estiver de morno a frio, desenforme-o no prato de servir.

Faça então a cobertura: junte os ingredientes em uma panela média e leve ao fogo alto, mexendo até ferver (cuidado, a calda 'sobe' que nem leite fervente). Abaixe o fogo e deixe que ela ferva suavemente por uns 10 a 15 minutos, até ficar com consistência de calda industrializada.

Com o auxílio de uma colher, derrame a calda sobre o bolo, deixando escorrer pelos lados. Sirva imediatamente.

Observação final:

Da primeira vez que preparei o bolo, eu o fiz com manteiga. Das vezes seguintes, fiquei sem manteiga em casa e acabei usando oléo. Ficou tão bom quanto. E nem precisei levar ao fogo para derreter.

Shakshuka

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Inicialmente, o shakshuka ganhou espaço na minha cabeça pela sonoridade do nome. Ouvi falar pela primeira vez assistindo a um reality show de culinária - não me lembro qual era, quem participava. Tudo que consigo me recordar é que uma das participantes precisava preparar shakshuka para um convidado especial sem nunca ter provado o prato. E ela se saía super bem, arrancando elogios fervorosos de todos.

O tempo passou e o shakshuka ficou guardadinho na memória até aparecer, maroto, na minha timeline do Pinterest, com receita matadora do gênio David Lebovitz (não tem nada que ele faça que não fique maravilhoso!). Resolvi atender ao chamado.

Sério. É uma das formas mais deliciosas de se comer ovo que eu já conheci. O molho de tomate é um show à parte: aromático, picante, saborosíssimo. E sabe do que mais? Dá para preparar um montão de molho e congelar. Daí, quando bater vontade, basta descongelar o molho e seguir a partir do ponto em que se acrescentam as verduras. Em minutos, você tem shakshuka fresquinho na mesa!

Shakshuka
Receita adaptada daqui

Ingredientes (para 3 a 4 pessoas):

2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 cebola média picadinha
3 dentes de alho finamente fatiados
1/2 a 1 pimenta dedo-de-moça cortada ao meio e sem sementes, picadinha (usei 1 pequena)
1 1/2 colheres (chá) de sal
1 colher (chá) de pimenta-do-reino moída na hora
1 colher (chá) de páprica defumada
1 colher (chá) de sementes de kümmel (alcaravia) esmagadas
3/4 de colher (chá) de cominho em pó
1/2 colher de chá de açafrão-da-terra (cúrcuma)
2 latas de tomate pelado
6 tomates secos (escorra o óleo antes de usar)
2 tâmaras sem caroço
1 colher (chá) de vinagre de maçã
1 xícara de uma verdura da sua preferência (boas pedidas são agrião, espinafre, escarola - não precisa apertar ao medir)
4 a 6 ovos

Modo de preparo:

No liquidificador, bata o conteúdo das latas de tomates, os tomates secos e as tâmaras até obter um purê uniforme. Reserve.

Em uma frigideira grande, aqueça o azeite em fogo médio-alto. Adicione a cebola e o alho e cozinhe por 5 minutos ou até que fiquem macios. Adicione a dedo-de-moça, o sal, a pimenta-do-reino e as especiarias. Cozinhe por um minuto, mexendo sempre, até que liberem seu perfume.

Despeje o purê de tomates na frigideira, misture bem e abaixe Adicione os tomates frescos ou enlatados, massa de tomate, mel e vinagre, reduza o fogo para médio e cozinhe por 12 a 15 minutos, ou até que o molho tenha engrossado um pouco (mas ainda esteja fluido o suficiente para espirrar, se a frigideira for balançada). Misture então as verduras.

Retire a frigideira do fogo. Com as costas de uma colher, faça covas no molho e acomode um ovo de cada vez, delicadamente. Espalhe a clara com cuidado para que ela se misture um pouco com o molho (tome cuidado para não machucar a gema).

Volte a frigideira ao fogo baixo e cozinhe por cerca de 10 minutos. Tampe a frigideira e cozinhe por mais 3-5 minutos (depende de como você gosta da sua gema, mas o mais recomendado é gema mole).

Sirva com muito pão se não quiser ver seus convivas lambendo o prato. Porque dá vontade.

Observações finais:

* Como já tinha substituído extrato de tomate por tomate seco com sucesso, resolvi repetir a experiência e achei lindo *-*

* Usei tâmaras, mas a receita original pede mel. De verdade, use o que achar melhor para adoçar.

* A receita pedia queijo feta, mas eu não tinha e preferi deixar sem queijo algum.

* Costumo preparar shakshuka só para mim, pois só eu gosto de comida picante na minha casa. Congelei o molho em porções individuais. Costumo preparar nessa frigideirinha da foto, com um só ovo. Acrescento um tiquinho de água ao molho, pois ele reduz um pouco enquanto o ovo cozinha.

* A foto foi tirada antes que a gema ficasse esbranquiçada. Mas a frigideirinha voltou em seguida para o fogo, tampada, até dar o ponto que eu gosto (gema nem mole, nem dura).

Printfriendly