Bolo de banana com passas e farinha de aveia (sem açúcar, farinha de trigo ou lactose)

quarta-feira, 25 de março de 2015

Este bolo é uma variação de um que você já viu aqui - um bolo de aveia sem açúcar, trigo ou lactose, que deve sua doçura a bananas muito maduras e frutas secas. O que me fez achá-lo interessante e digno de um novo post é o uso de farinha de aveia, em vez de aveia em flocos - a textura fica mais fechadinha, com mais cara de bolo. Não que eu não goste de bolos de aveia com a típica textura dos flocos - AMO. Mas queria variar, e adorei.

A receita original, vi no Teretetê na Cozinha (um blog tão delícia que me dá raiva de não ter conhecido antes). Como precisei aproveitar o sono noturno da crianças para prepará-la, fiz tudo a mão, mas este é um bolo que fica melhor feito no liquidificador - as passas ficam mais bem trituradinhas e adoçam melhor a massa.

Sobre o sabor, da primeira vez que o comi, frio, achei que não estava doce o suficiente para o meu gosto - e olha que eu já tinha acrescentado uma colher de sopa de xarope de bordo à massa antes de levá-la ao forno. Experimentei acrescentar um fiozinho de xarope de bordo ao servir - ficou muito bom!

Mas sabe qual foi o meu jeito preferido de saboreá-lo? Como a Rita Lobo ensinou: coloquei fatias na torradeira e saboreei-as quentinhas, com um pouco de manteiga com sal. Tão, tão bom que eu já estou ansiosa pelo café da manhã de amanhã ;-)

Bolo de banana sem açúcar
Receita ligeiramente adaptada daqui

Ingredientes:

4 bananas prata ou nanica bem maduras
½ xícara (chá) de uvas passas sem sementes
3 ovos
1/3 xícara de óleo (usei canola)
2 xícaras (chá) de farinha de aveia
2 colheres (sopa) de fermento químico em pó
1 colher (chá) de canela em pó, mais um pouquinho para polvilhar sobre o bolo (adição minha)
1 colher (sopa) de xarope de bordo (adição minha - use mel, melado ou que preferir)

Bolo de banana sem açúcar

Modo de preparo:

Ligue o forno a 180ºC. Unte duas formas pequenas de bolo inglês (ou uma média) com óleo e polvilhe com farinha de aveia. Como usei formas descartáveis de alumínio, não fiz nada ;-)

No copo do liquidificador, adicione as bananas, as passas, os ovos, o óleo e a canela. Bata muito bem até obter um creme homogêneo, com as passas bem trituradas.

Transfira a mistura para uma tigela grande e acrescente a farinha de aveia. Misture com uma colher de pau ou espátula de silicone até que a massa fique bem homogênea. Neste ponto, convém provar a massa - se sentir falta de um gostinho mais doce, acrescente o adoçante de sua preferência, em pequena quantidade. Misture bem e prove de novo. Repita o processo até o sabor ficar do seu agrado. Some então o fermento e misture bem até incorporar.

Despeje a massa nas formas preparadas, polvilhe a superfície com um pouco de canela e leve ao forno até que os bolos passe no teste do palito (ele fica bem corado no topo). Como meu forno é meio lerdo, isso deve ter levado uns 45 minutos.

Retire do forno e deixe esfriar um pouco sobre uma grade antes de comer.

Bolo de banana sem açúcar

Observação final: 

Use uma farinha de aveia certificada (como esta daqui) e este bolo poderá ser servido a quem não pode com o glúten! AÊÊÊÊ!!!

Bolo de milho (receita pequena)

sexta-feira, 20 de março de 2015

Das receitas pequenas que andei desenvolvendo nos últimos tempos, uma das que mais me fazia falta era um bolinho de milho. Eu amo, mas até então só fazia receitas grandes.

Esta receita exige um equipamento especial que não um garfo ou fouet - um mixer de mão para triturar o milho. Mas, convenhamos, não é nada assim tão terrível. Também dá para usar o liquidificador (mas suja um pouco mais de mais louça).

O resultado é um bolo de milho fofinho, honestinho, daqueles que a gente toma com um cafezinho e prontamente se sente em casa.

Bolinho de milho
Receita adaptada dessa daqui, que é da diva Rita Lobo e de micro-ondas

Ingredientes:

2 colheres (sopa) de milho verde debulhado (pode ser em lata, congelado, pré-cozido, cru e fresco...)
1/4 de xícara de leite (pode usar leite de coco para uma versão sem lactose)
1 ovo
2 colheres (sopa) de óleo vegetal (usei girassol, mas pode ser o de sua preferência)
1/4 de xícara de açúcar
1 pitada de sal
1/4 de xícara de fubá mimoso
1/2 colher (sopa) de fermento

Modo de preparo:

Ligue o forno a 180ºC. Prepare as forminhas que vai utilizar - se usar forminhas de metal, forre-as com forminhas de papel ou unte-as e enfarinhe-as. Se usar forminhas de silicone, como eu, não faça nada ;-)

No copo do mixer, adicione o ovo, o leite, o óleo e o milho. Bata com o mixer até que o milho fique bem triturado, por uns 2 minutos. Adicione então o açúcar e bata mais 1 minuto. Por fim, some o sal, o fubá e o fermento, envolvendo delicadamente com um fouet pequeno até que a massa fique homogênea (ela é mais líquida, mesmo, não se assuste).

Despeje a massa nas forminhas, enchendo até 2/3 da capacidade, e leve ao forno até que os bolinhos estejam crescidos e corados. No meu forno, isso levou cerca de 20 minutos. Faça o teste do palito para se certificar de que estão prontos.

Retire os bolinhos do forno e deixe-os sobre uma grade para que esfriem.A receita rende 5 bolinhos (usei forminhas de silicone com capacidade para até 1/3 de xícara de massa).

Bolinho de milho - por dentro é assim

Panquecas de banana super simples

terça-feira, 17 de março de 2015

Sabe quando você se apaixona por uma teoria, mas se decepciona com a prática? Assim, é a minha relação com as panquecas americanas. Adoro vê-las em fotos - lindas, fofinhas, douradas, cobertas com frutas e outras gostosuras. Também gosto da sensação que dá ao pensar em um café da manhã com panquecas - como exigem um pouco de habilidade e dão algum trabalho para fazer, são presentes que a gente dá a si mesmo ou a quem a gente ama.

Mas, gente, quando eu as preparo, me dá uma frustração terrível. Acho que elas pesam no estômago e que, vira-e-mexe, ficam cruas no meio, ou queimadas por fora, ou murchas... e não são nenhuma delícia sobrenatural. Enfim, não compensam a perda de tempo e a bagunça.

Comentei sobre isso com amigos no Instagram e recebi várias dicas legais de receitas de panqueca (estão todas guardadinhas, esperando uma oportunidade de serem testadas). Mas a que me fisgou de imediato foi a da @anamatusita, artista da linha e da agulha, que publicou uma foto de seu café da manhã - umas panquequinhas de banana muito simpáticas.

A receita é fácil de tudo. Tem poucos ingredientes - todos bem comuns em cafés da manhã saudáveis - e nada de gordura, açúcar ou trigo. Fiz meio reticente, confesso, mas me surpreendi com o resultado. As panquecas ficam fofinhas, doces na medida, adoráveis com um pouco de xarope de bordo. E, o que é melhor, não me pesaram no estômago ou na consciência.


Panqueca de banana
Receita da @anamatusita. Deem um desconto para a foto, é mais uma daquelas feitas com o celular, às pressas.

Ingredientes:

1 ovo ligeiramente batido
1 banana bem madura, amassada com um garfo
2 colheres (sopa) de farinha de aveia
Canela a gosto

Modo de preparo:

Junte todos os ingredientes em uma tigelinha e misture bem até ficar uniforme.

Aqueça uma frigideira antiaderente no fogo (se o seu antiaderente não estiver grande coisa, pincele um tiquinho de óleo antes de aquecê-lo). Deite 2 colheres de sopa da massa na frigideira (não se preocupe em espalhar, a massa se assenta sozinha).

Quando bolhas começarem a se formar na superfície e a massa começar a inchar, vire a panqueca com uma espátula e deixe o outro lado dourar. Cuidado para não deixá-la queimar!

Retire a panqueca com a espátula e repita o procedimento até acabar com a massa.

Rendimento: 3 panquecas pequenas e um café da manhã feliz :-)

Bolo glaceado de polenta, amêndoas e tangerina

sábado, 14 de março de 2015

Este não é um bolo comum, daqueles que agradam todo mundo. É cheio de personalidade, de textura mais arenosa, indisfarçavelmente polentudo.  Também não é muito doce - ao provar a massa crua, por sinal, decidi que faria um glacê porque achei que faltava algo (embora agora, em retrospectiva, pense que uma boa polvilhada de açúcar de confeiteiro poderia ter dado conta do recado).

Foi um bolo que, a mim, não agradou em cheio, embora eu não tenha achado mal, pelo contrário. Mas achei que o sabor de tangerinas podia ser bem mais intenso, tanto na massa quanto no glacê. E que, se a massa fosse mais doce, eu ficaria feliz sem o glacê (a verdade é que eu não gosto muito de glacês - acho o sabor excessivamente doce, o que desequilibra a minha percepção do bolo como um todo).

E por que eu estou publicando essa receita, então? Porque, ao que tudo indica, só eu fiz ressalvas ao bolo - ele desapareceu num piscar de olhos no trabalho, com gente pedindo a receita e tudo mais. Além disso, o bichinho foi clicado pelo Rodrigo, né. Não dá para desperdiçar um olhar tão generoso ;-)

Bolo glaceado de polenta, amêndoas e tangerina
Receita adaptada daqui, glacê daqui

Ingredientes:

Para o bolo:
150g de açúcar cristal
Raspas da casca de 1 tangerina (se eu fosse você, rasparia 2 tangerinas)
165g de manteiga sem sal, amolecida
Suco de ½ tangerina
½ colher (chá) de extrato de baunilha
2 ovos
185g de farinha de amêndoa
75g de polenta instantânea (usei uma italiana)
35g de amido de milho
½ colher (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
Açúcar de confeiteiro, para polvilhar

Para o glacê: 
170g de açúcar de confeiteiro
2 colheres (sopa) de suco de tangerina
1/2 xícara de licor de tangerinas (eu não tinha, usei cointreau)

Bolo glaceado de polenta, amêndoas e tangerina

Modo de preparo:

Preaqueça o forno a 180°C. Unte uma forma média de bolo inglês, forre com papel manteiga e unte o papel também (usei uma forma descartável e não precisei fazer nada disso).

Coloque o açúcar e as raspas de tangerina na tigela da batedeira e misture com as pontas dos dedos para aromatizar o açúcar. Adicione a manteiga e bata com a batedeira até obter um creme claro e fofo. Junte o suco de tangerina e a baunilha, seguidos dos ovos, um a um, batendo bem a cada adição – a mistura pode parecer talhada, não se preocupe.

Em uma tigela, misture a farinha de amêndoa, a polenta, o amido de milho, o fermento e o sal e incorpore-os à mistura da batedeira, misturando de baixo para cima, gentilmente, com uma espátula de silicone.

Transfira a massa para a forma e asse por 40-50 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha antes de desenformar.

Faça o glacê - coloque o açúcar de confeiteiro em um potinho e vá adicionando os ingredientes líquidos aos poucos, misturando com um fouet pequeno, até obter uma mistura com consistência de milkshake (líquido denso).

Com o auxílio de uma colher, despeje o glacê sobre o bolo da maneira mais uniforme possível. Espere secar para servir - ele vai ficar durinho e quebradiço.

Bolo glaceado de polenta, amêndoas e tangerina

'Danoninho' para quem está de dieta

terça-feira, 10 de março de 2015

É, gente, não tem jeito. Depois de passar por um duríssimo processo de emagrecimento, não dá para vacilar e voltar a engordar, desperdiçando tanta força de vontade e disciplina - até porque, convenhamos, eu não tenho de sobra. Por isso, continuo firme na busca por docinhos que satisfaçam minhas lombrigas mas não comprometam muito a silhueta.

Nessas horas, a Tati, como sempre, vem me salvar com suas ideias práticas e gostosas. É o caso dessa sobremesa, que lembra aquela guloseima que fez parte da nossa infância. A receita é pra lá de simples: 4 ingredientes, apenas. Fica pronto num instante, e satisfaz que é uma beleza, como sobremesa.

E dá para comer sem tanto peso na consciência: uma porção tem tantas calorias quanto uma banana-nanica, segundo a calculadora do aplicativo de dieta do meu celular (ô, fonte confiável, hahahaha).

'Danoninho' para quem faz dieta
Receita livremente adaptada daqui e daqui

Ingredientes:

300 g de ricota fresca (fiz em casa, com leite integral)
240 ml de iogurte natural (usei iogurte caseiro feito com leite integral)
1 pacote de suco em pó diet sabor morango (quantidade suficiente para fazer 500 ml de suco)
1/2 pacotinho (6 g) de gelatina em pó incolor sem sabor (acho que, nesta receita, nem haveria problema se ela fosse vermelha)

Modo de preparo:

Siga as instruções do fabricante da gelatina para hidratá-la e deixá-la líquida. Deixe reservada, esfriando um tico.

No liquidificador, bata a ricota, o iogurte e o suco em pó até que fique bem homogêneo. Convém provar e acrescentar um pouco mais de suco em pó, se achar que o sabor ficou fraco (para mim, ficou no ponto).

Acrescente a gelatina líquida e fria e bata mais um minuto.

Divida entre 6 tacinhas e leve à geladeira até firmar.

'Danoninho' para quem faz dieta - na colher

Observações finais:

* Se quiser diminuir ainda mais o valor calórico da receita, experimente usar iogurte desnatado e ricota light. Eu não testei, mas acredito que não fique ruim.

* Dá para fazer sem gelatina? Dá. Eu é que prefiro uma sobremesa um pouco mais consistente para sentir que estou comendo alguma coisa que não desaparece assim que coloco na boca. (#vaicabeçagorda)

* Vale aqui a ressalva de sempre: comida, qualquer que seja, só não engorda se houver um gasto calórico compatível. Corra uma meia maratona e você pode matar sem dó uma promoção enorme da lanchonete do Ronald - com sanduíche, batata frita e milkshake. Se isso é uma escolha inteligente, do ponto de vista nutricional, já são outros 500 (e outras 1500 calorias).

Bolo de cenoura formigueiro (receita de tamanho normal)

sábado, 7 de março de 2015

O bolo de cenoura formigueiro que fiz para as crianças deu tão certo que resolvi fazer em tamanho normal quando recebi visitas. E foi tão bem recebido que tive de repetir para o hômi levar para o trabalho.

Tantas pessoa me pediram a receita que eu resolvi postá-la aqui, mesmo nunca tendo conseguido fazer fotos decentes do bolo (as fotos da montagem que ilustra esse post foram todas feitas às pressas, com o celular).

Por onde passa, esse bolo causa suspiros e sorrisos. Faça para o seu próximo lanche com muita gente (é uma receita grandinha!) e prepare-se para os elogios.

Bolo de cenoura formigueiro (tamanho normal)
Receita um tanto adaptada daqui

Ingredientes:

3 cenouras grandes, descascadas e picadas grosseiramente
1 xícara de óleo de canola
3 ovos grandes
2 xícaras de açúcar
2 xícaras de farinha de trigo
1 pitada de sal
3/4 de xícara de flocos de chocolate*
1 colher (sopa) de fermento químico em pó

Modo de preparo:

Ligue o forno a 180ºC. Unte e polvilhe com farinha de trigo uma forma de anel com capacidade para 10-12 xícaras.

No liquidificador, bata a cenoura, os ovos, o óleo, o açúcar e a pitada de sal até obter uma mistura bem homogênea.

Despeje essa mistura líquida em uma tigela grande e peneire por cima a farinha de trigo o fermento. Misture delicadamente com uma colher de pau até a massa ficar uniforme. Por fim, envolva os floquinhos de chocolate.

Deite a massa na forma reservada e leve ao forno preaquecido até que o bolo passe no teste do palito.

Para cobrir o bolo, fiz a mesma cobertura de chocolate do bolo de agrião. Vamos a ela:

Ingredientes:

4 colheres (sopa) de chocolate em pó
4 colheres (sopa) de açúcar
2 colheres (sopa) de leite
30 g de manteiga sem sal

Modo de preparo:

Junte tudo em uma panelinha e leve ao fogo baixo, mexendo até que a manteiga derreta e a mistura fique uniforme. Deixe que ela levante fervura, mexendo sempre, e desligue o fogo. Despeje sobre o bolo frio.

Observação final:

Recomendo fortemente que você utilize floquinhos de chocolate daqueles que a gente usa em brigadeiros chiques, pois eles são mais saborosos, se distribuem melhor na massa, derretem lindamente e deixam as fatias mais bonitas. Mas, se quiser, pode usar um outro chocolate granulado de boa qualidade.

Ou, ainda, faça o seguinte: coloque no freezer 1 xícara de gotas de chocolate meio amargo ou de chocolate em pedacinhos e deixe lá por meia hora. Depois, passe no processador de alimentos ou liquidificador até obter pedacinhos pequenos (não é para virar pó, hein?).

O objetivo de congelar o chocolate é deixá-lo duro e, assim, evitar que ele se agarre às hélices do liquidificador/processador e impeça o seu movimento. Foi assim que eu fiz com o meu último bolo.

Granola da boa, granola do bem

quarta-feira, 4 de março de 2015

Você já deve ter percebido que eu ando numa fase de granolas, né. Tenho gostado muito de comê-las com frutas, iogurte ou leite no café da manhã, ou substituindo o jantar. São opções rápidas, práticas e muito gostosas.

Nos últimos tempos, descobri granolas saborosíssimas, como você pode ver  aqui e aqui. Apesar de ter apreciado até demais o seu sabor, fiquei um pouco desconfortável ao comê-las - aquele desconforto que dá quando a gente sabe que não está se alimentando tão bem como deveria. Não me leve a mal - aveia é muito bom, sim. Mas uma granola pode ser mais do que isso, em termos nutricionais.

Foi então que tive um estalo: por que não combinar a filosofia da granola circunstancial, da Neide Rigo, com uma base de sabor mais intensa, como a da Joy Wilson? Virei, mexi e criei a minha granola.

Gente, que resultado surpreendente. Fiquei apaixonada pela textura delicada, com gruminhos aqui e ali, e o sabor incrivelmente bom. Pensei em adicionar frutas secas ou gotas de chocolate com ela já pronta, mas desisti - ela é redondinha do jeito que está, não precisa de mais nada.

Granola do bem
Receita desenvolvida por mim inspirada nessas duas daqui

Ingredientes:

2 1/4 de xícara de aveia em flocos grossos
1/2 xícara de quinoa em flocos
1/2 xícara de amaranto em flocos
1/2 xícara de farelo de linhaça
1 pacote de flocos de coco úmidos e adoçados
1 colher (chá) de canela em pó
1 pacote de mix de sementes Jasmine (ou 40 g de sementes de abóbora, linhaça, soja e girassol torradas)
1/4 de colher (chá) de sal
1/2 xícara de açúcar de coco
1/4 de xícara de mel
1/2 xícara de óleo de coco

Modo de preparo:

Forre uma assadeira para cookies com papel manteiga, deixando sobras nas pontas. Ligue o forno a 180ºC.

Numa tigela grande, junte a aveia, a quinoa, o amaranto, a linhaça, os flocos de coco, a canela, o mix de sementes e o sal. Misture bem com uma colher de pau e reserve.

Numa panelinha, leve ao fogo o óleo de coco, o mel e o açúcar. Mexa ocasionalmente até que a mistura levante fervura. Apague o fogo e deixe esfriar um pouco. A mistura não ficará homogênea - o óleo de coco ficará separado do restante dos ingredientes.

Com a mistura líquida menos quente, despeje-a sobre os ingredientes secos, misturando bem com a colher de pau até que tudo fique úmido.

Espalhe a granola crua na assadeira preparada, cuidando para deixá-la uniformemente distribuída. Leve ao forno por 30 minutos, revolvendo a mistura com uma colher de pau a cada 10 minutos. Não se esqueça da granola nas bordas da assadeira, pois ela tende a queimar mais rápido. E não se esqueça de deixar tudo espalhadinho de maneira uniforme.

Ao final de meia hora, a granola deve estar dourada e cheirosa. Retire-a do forno e deixe a assadeira esfriar sobre uma grade. De vez em quando, dê uma revolvida nela, para que se solte facilmente do papel manteiga.

Quando ela estiver completamente fria, armazene em potes hermeticamente fechados. Deve durar pelo menos duas semanas.

Granola do bem

Observação final:

Dependendo de onde você more, deve estar com raiva de mim, perguntando "Onde é que eu vou achar esse tanto de ingrediente louco?". Há uma loja virtual bacana que vende tudo isso. É nela que eu compro meus suplementos esportivos e tudo quanto é tipo de ingrediente saudável. Os preços são bons e eu nunca recebi um pedido atrasado.

Não, isso não é um post publieditorial. Eu realmente sou cliente dessa loja - jamais indicaria uma loja/produto/serviço que eu achasse mais ou menos ou que desconhecesse.