Pão de castanha-do-pará

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Desde que me conheço por gente, eu como castanhas-do-pará. No começo, elas eram do Pará mesmo - chegavam até a minha casa em fardos carinhosamente trazidos por parentes maternos, junto com camarões secos e a farinha de tapioca mais leve e delicada que eu já comi.

Hoje em dia, as castanhas-do-pará são chamadas de castanhas-do-brasil e podem ser facilmente encontradas em supermercados. No mercadinho de produtos orgânicos perto de casa, eu costumo comprar óleo dessas castanhas.

As castanhas-do-pará deixaram de ser exóticas. Mas, para mim, sempre lembrarão visitas distantes, umidade e um cheiro verde e fresco, que só a terra de minha mãe tem.

Pão de castanha-do-pará

Receita inspirada num pão de nozes que a Akemi fez
Ingredientes:

1 colher (chá) de fermento biológico seco instantâneo
1 colher (sopa) de açúcar mascavo
1 colher (chá) de sal
300 ml de água
350g de farinha de trigo branca
150g de farinha de trigo integral
2 colheres (sopa) de óleo de castanha-do-pará
100g de castanhas-do-pará picadas grosseiramente

Modo de preparo:

Numa vasilha grande, misture as farinhas e o sal. Faça uma cova no meio e despeje o açúcar mascavo, o fermento e a água (se você estiver em um local frio, use água morna). Misture com uma colher de pau (ou com as mãos) até que a massa fique com cara de mingau. Adicione o óleo e as castanhas e comece a trabalhar a massa até que ela esteja em condição de ser transferida para uma superfície de trabalho levemente enfarinhada. Sove até que ela fique macia.

Forme uma bola com a massa e devolva à vasilha levemente untada com um pouquinho de óleo de castanha-do-pará. Cubra com filme plástico e deixe crescer até dobrar de volume.

Feito isso, extraia o ar da massa com os punhos, abra-a na superfície de trabalho, enrole como rocambole e acomode em forma de pão untada e polvilhada com fubá ou farinha de trigo. Cubra com um filme plástico e deixe crescer novamente até quase dobrar de volune outra vez.

Asse em forno preaquecido a 200ºC até que o pão fique com uma cor castanha bonita e emita um som oco, ao levar pancadinhas com os nós dos dedos. Tire do forno e deixe esfriar sobre uma grade antes de comer.

Observações finais:

*Eu optei por adicionar as castanhas picadas junto com o óleo porque achei que elas ficariam incorporadas à massa mais facilmente. Se você achar incômodo sovar uma massa cheia de pedacinhos duros, deixe para adicionar as castanhas depois, com a massa já sovada, como a Akemi ensina.

* Este é um pão recomendado apenas para quem gosta de castanhas-do-pará (tolerá-las não é o suficiente). Embora a massa tenha sabor suave, as castanhas estão por toda parte - quem não gosta delas (feito o hômi), torce o nariz.

6 comentários:

Gina disse...

Letrícia,
A castanha-do-brasil não chega a ser a mais saborosa para o paladar de todos aqui em casa, mas é saudável e vale muito a pena usar. Sou a única que aprecio um pouco mais...
Já o óleo nunca vi.
Para quem tem hábito de consumo de pão diariamente, como praticamente todos, devemos variá-los ao máximo.
Boa sugestão!
Bjs.

Iliane disse...

que diferente e ficou lindo!!!!não conhecia oleo de castanha do pará!!a receita é muito boa mesmo..bjus

angela disse...

seu ultimos pães são barbaros, adorei. bjs

moranguita disse...

oh aqui nao sei o que sao essas castanhas
o pao esta o m aximo
faço com nozes
beijinhos

ameixa seca disse...

Conheci a castanha do Pará tarde mas fiquei muito bem impressionada com ela. É muito saborosa, aprecio bastante :-)
Este pão deve ficar uma delícia!

Akemi disse...

Vc fez o pão, que legal! Ficou lindão!!! Adorei sua versão com castanhas e tbm desconhecia este óleo, deve ter dado um tchan a mais ao pão! Bjss e bom final de semana!

Printfriendly